Meios de cultura de microrganismos

Meios de cultura de microrganismos
BIOLOGIA

Meios de cultura são composições de substâncias que fornecem nutrientes necessários para o desenvolvimento de microrganismos. Sendo favorecido o crescimento, é possível a identificação desses organismos através das suas atividades bioquímica e metabólica. Além dos nutrientes, existem condições ambientais para o crescimento microbiano, como temperatura, pH, umidade, presença ou não de oxigênio (condição aeróbia e anaeróbia), entre outros.

Os meios de cultura são classificados de acordo com seu estado físico, podendo ser sólido, quando possui agentes solidificantes como o ágar; semissólido, quando a consistência de ágar e/ou gelatina é intermediária, ou líquido, quando não possui solidificantes, caracterizando-se como caldo.

Devido à diversidade dos microrganismos, existem vários meios de cultura específicos que atendem às exigências para o desenvolvimento de cada um. Os meios básicos permitem o crescimento, porém não atendem a nenhuma condição nutricional específica de um determinado microrganismo. São exemplos de meio de cultura simples o caldo e o ágar simples.

Já os meios especiais ou complexos possuem condições específicas que atendem às exigências de determinado microrganismo, pois contêm substâncias que propiciam a produção de enzimas e secreções específicas de determinados microrganismos, e que impedem o crescimento de outros que não são de interesse de análise. Um exemplo de meio de cultura especial é o Manitol, um meio salino com indicador de pH que tem a sua cor alterada quando ocorre o processo de fermentação e produção de ácido. Nesse meio é possível a identificação da bactéria Staphylococcus aureus.

De acordo com o tipo de microrganismo a ser identificado, os meios de cultura possuem diferenciação química, podendo ter extratos vegetais (malte, tomate), animais (carne), microrganismos (levedura) e sintéticos.

Ainda, é estabelecida uma classificação funcional para os diferentes meios de cultura, que podem ser para:

- Pré-enriquecimento: para amostras que sofreram algum processo físico ou químico (Ex.: caldo lactosado);

- Enriquecimento: desenvolvimento de bactérias gerais (Ex.: Caldo Tetrationato);

- Seletivo: inibem o crescimento de alguns microrganismos e propiciam o desenvolvimento de outros ( Ex.: Manitol e MacConkey);

- Diferencial: permite a diferenciação de microrganismos parecidos (Ex.: Ágar sangue e MacConkey);

- Triagem: avalia as atividades metabólicas, permitindo a identificação de vários microganismos. (Ex.: Tríplice açúcar e ferro);

- Identificação: para realização de provas bioquímicas e funções fisiológicas do organismo a ser identificado (Ex.: Ágar citrato, Caldo nitrato);

- Dosagem: determinações de aminoácidos, vitaminas e antibióticos;

- Contagem: determinação quantitativa da população microbiana (Ex.: Ágar de Contagem em Placas, Ágar Baird-Parker)

- Manutenção: conserva os microrganismos em laboratório (Ex.: Ágar Sabouraud).

Segue mais exemplos de meios de cultura utilizados:

- Ágar MacConkey – favorece o crescimento de bactérias gram-negativas (enterobacterias e não fermentadoras).

- Ágar Manitol – favorece o crescimento de bactérias estafilococos, sendo muito utilizado para isolamento de Staphylococcus aureus.

- Ágar Thayer- Martin Chocolate – isolamento de Neisseria gonorrhoeae e N. meningitidis.

- Ágar Selenito – inibe coliformes e outras espécies da flora intestinal, como estreptococos; favorece crescimento da Salmonella spp e Shigella spp.

- Ágar Sangue – favorece o crescimento da maioria dos microrganismos, sendo utilizado para identificação presuntiva de Haemophilus spp

- Ágar Löwestein Jensen – isolamento primário das micobactérias.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira o curso de Microbiologia Geral, e utilize o certificado dos cursos para complementar suas atividades acadêmicas.


Bibliografia

KONEMAN, E.W. et al. Diagnóstico Microbiológico: Texto e Atlas. 6ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

TORTORA, GJ; FUNKE, BR. Microbiologia. 8ed. São Paulo: Artmed, 2005.

MOURA, R.A et al. Técnicas de Laboratório. 3 ed.Rio de Janeiro: Atheneu, 2002.

Adriana Lopes Ayres
FORMAÇÃO:  Pós-graduação : Docência no Ensino Superior  Ensino Superior : Fisioterapia (cursando)  Ensino Superior Completo: Ciências Biológicas (CRBio 86374-01-D)  Ensino Técnico: Técnico em Química
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER