Peptídeos Bioativos e hipertensão arterial

Peptídeos Bioativos e hipertensão arterial
BIOLOGIA
Evidências científicas mostram que além da terapia farmacológica, os fatores nutricionais desempenham um papel significativo na prevenção e tratamento da hipertensão, sendo assim, são crescentes os esforços da ciência para a produção de alimentos funcionais com atividade anti-hipertensiva que, associados a mudanças na dieta e estilo de vida, afetam positivamente a pressão arterial do indivíduo (JÄKÄLÄ; VAPAATALO, 2010).


É sabido que muitas proteínas alimentares apresentam, criptografados dentro de sua estrutura primária, sequências de peptídeos que são liberados após proteólise enzimática “in vivo” ou “in vitro” durante a digestão gastrointestinal ou o processamento do alimento e modulam funções fisiológicas específicas. Neste contexto, o termo peptídeos bioativos refere-se aos diferentes peptídeos que variam em tamanho de 2 a 50 resíduos de aminoácidos e apresentam funções biológicas ou efeitos fisiológicos diversos, tais como, anti-hipertensiva, antioxidante, imunomoduladora, antimicrobiana, antitrombótica, prebiótica, opioides, entre outras (DIAS, 2010). Esses peptídeos são derivados a partir de um grande número de proteínas de origem bacteriana, vegetal e animal, tais como leite, soja, frango, peixe e seus derivados (WANG; MEJIA, 2005; HARTMANN; MEISEL, 2007).


Dentre os peptídeos bioativos derivados de proteínas de origem animal, os peptídeos inibidores da ECA tem sido extensivamente estudados e os resultados apontam que são significativamente eficazes em suprimir ou reduzir o desenvolvimento da hipertensão arterial em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) e em pacientes humanos hipertensos (SAIGA et al., 2003; HONG et al., 2008). Fujita, Yokoyama e Yoshikawa (2000) reportaram em sua revisão que a partir do tratamento de proteínas do músculo de frangos com termolisina é possível obter peptídeos inibidores da ECA (Leu-Lys-Ala, Leu-Lys-Pro, Leu-Ala-Pro, Phe-Gln-Lys-Pro-Lys-Arg, Ile-Val-Gly-Arg-Arg-Arg-His-Gln-Gly, Phe-Lys-Gly-Arg-Tyr-Tyr-Pro, Ile-Lys-Trp). Saiga et al. (2003) e Terashima et al. (2010) também obtiveram resultados hipotensores significativos utilizando peptídeos inibidores da ECA extraídos de proteínas do músculo ou osso de frangos em seus experimentos. A força desses peptídeos foi avaliada pelo valor de IC50 e verificou-se que, enquanto o captopril apresenta valor IC50 na ordem de 0,022 μM, os peptídeos derivados de proteínas alimentares mostram valor de IC50 variando entre 0,1 μM a algumas centenas de micromolares dependendo de suas sequências de aminoácidos (TERASHIMA et al., 2010).





Referências

JÄKÄLÄ, P.; VAPAATALO, H. Antihypertensive Peptides from Milk Proteins. Pharmaceuticals, Basel, v. 3, n. 1, p. 251-272, Jan. 2010.


DIAS, G. M. P. Avaliação do perfil dos peptídeos bioativos do queijo coalho fresco produzidos no município de cachoeirinha – PE. 2010. 53fls. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2010.


WANG, W., MEJIA, E. G. A new frontier in soy bioactive peptides that may prevent age-related chronic diseases. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety, Malden, v. 4, n. 4, p. 63-78, Oct. 2005.


HARTMANN, R., MEISEL, H. Food-derived peptides with biological activity: from research to food applications. Current Opinion in Biotechnology, London, v. 18, n. 2, p. 1-7, Apr. 2007.


SAIGA, A.; OKUMURA, T.; MAKIHARA, T.; KATSUTA, S.; SHIMIZU, T.; YAMADA, R.; NISHIMURA, T. Angiotensin I-converting enzyme inhibitory peptides in a hydrolyzed chicken breast muscle extract. Journal of Food and Agricultural Chemistry, Washington, v.51, n.6, 1741-1745, Mar. 2003


HONG, F.; MING, L.; YI, S.; ZHANXIA, L.; YONG-QUAN, W.; CHI. L. The antihypertensive effect of peptides: a novel alternative to drugs?. Peptides, New York, v. 29, n. 6, p. 1062–1071. June 2008


FUJITA, H. I.; YOKOYAMA, K. E.; YOSHIKAWA, M. Classification and Antihypertensive Activity of Angiotensin I-Converting Enzyme Inhibitory Peptides Derived from Food Proteins. Journal of Food Science, Champaign, v. 65, n. 4, p. 564–569, May 2000


TERASHIMA, M.; BABA, T.; IKEMOTO, N.; KATAYAMA, M.; MORIMOTO, T.; MATSUMURA, S. Novel angiotensin-converting enzyme (ACE) inhibitory peptides derived from boneless chicken leg meat. Journal of Agricultural and Food Chemistry, Washington, v. 58, n. 12, p. 7432–7436, June 2010.


Thiago Santos Araújo
Bacharel em Ciencias Biologicas pela UFPE e Mestre em Ciencias Veterinarias pela UFLA. Atualmente e pesquisador bolsista DTI-2 na UFLA. Tem experiencia nas areas de Fisiologia, Farmacologia e Bioquimica, com enfase em Metabolismo e Bioenergetica, atuando principalmente nos seguintes temas: Modulacao angiotensinergica, Metabolismo lipidico
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER