Vias Endovenosas (EV)

Vias Endovenosas (EV)
ENFERMAGEM
Essa via é utilizada para infundir medicamentos diretamente na veia. Deve-se preferir puncionar, inicialmente, membros superiores, evitando-se as articulações. O melhor local é a face anterior do antebraço “não dominante”. São contraindicadas em pacientes com lesões neurológicas. A via endovenosa é utilizada para a administração de soluções que necessitam ser absorvidas rapidamente, assegurando uma ação imediata.

Essa via permite, além disso, a administração de grandes volumes de líquidos e, também, a administração de soluções que, são contraindicadas pelas demais vias parenterais e pela via oral, respectivamente, por serem irritantes ou por sofrerem a ação dos sucos digestivos.
Os locais mais apropriados para a administração de injeções endovenosas são as veias das extremidades ou periféricas. A escolha é feita observando os seguintes aspectos:

- Acessibilidade;
- Mobilidade reduzida;
- Localização sobre base mais ou menos dura;
-Ausência de nervos importantes.

As veias da região cefálica costumam ser utilizada em recém-natos e lactentes. As veias jugulares na região cervical são muitas vezes utilizadas em pacientes com dificuldade de acesso venoso, principalmente nas grandes emergências. Nas Unidades de Terapia Intensiva, para acesso venoso central à veia subclávia, para injeção de medicamentos, para infusão de alimentação parenteral, para acesso venoso central e para monitorização da pressão venosa central.
Nos membros superiores utilizam-se as veias cefálica e basílica para manutenção de via venosa contínua. A veia intermediária do cotovelo é muito utilizada para coletas de sangue, para injeções únicas de medicamentos. Também podem ser utilizadas veias do dorso da mão (metacarpianas dorsais), tanto para injeções únicas. Embora possam ser utilizadas para manutenção de via venosa contínua, deve-se evitar.

As seringas mais apropriadas para a injeção endovenosa são as de 5,10 e 20 ml, já as agulhas devem ser longas, finas e com bisel longo. As agulhas utilizadas são a 25 x 08 e a 30 x 07 mm. É utilizado também o garrote e a braçadeira. Os procedimentos para administração por via endovenosa são:

- Lavar as mãos;
- Escolher o melhor local da administração;
- Fazer a limpeza da pele, caso necessário;
- A limpeza da pele deve ser feita com água e sabão;
- O álcool comum não deve ser utilizado, por sua baixa volatilidade e pelo baixo poder antisséptico;
- Colocar o paciente deitado ou sentado, jamais de pé;
- Quando o local da administração for os membros superiores ou inferiores o profissional deve estendê-los;
- Passar garrote acima do local escolhido, a fim de produzir uma estase venosa;
- Quando for o caso, orientar o cliente para abrir e fechar a mão várias vezes, mantendo-a fechada, até que seja solicitada a abertura da mesma;
- Palpar, com o dedo indicador e o médio, a veia onde será administrada a solução;
- Esticar a pele, mantendo a veia fixa com o polegar e o indicador de uma das mãos;
- Manter a agulha com o bisel para cima, aproximadamente 1 cm abaixo do local onde a veia será alcançada, segurando a seringa paralela à veia;
- Introduzir a agulha na veia de forma delicada e firme;
- Aspirar e verificar o fluxo venoso;
- Retirar o garrote;
- Retirar a seringa com a agulha, com movimento único e firme;
- Lavar as mãos.

Colunista Portal - Educação
O Portal Educação possui uma equipe focada no trabalho de curadoria de conteúdo. Artigos em diversas áreas do conhecimento são produzidos e disponibilizados para profissionais, acadêmicos e interessados em adquirir conhecimento qualificado. O departamento de Conteúdo e Comunicação leva ao leitor informações de alto nível, recebidas e publicadas de colunistas externos e internos.
Sucesso! Recebemos Seu Cadastro.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER